Home / Eleições no Brasil / Dossiê Amoedo
Nitronews

Dossiê Amoedo

Amoêdo começa a carreira em meado dos anos 80 com duas formações universitárias completas (engenharia e adm/ UFRJ e PUC) aos 22 anos é contratado como trainee no Citibank; (lembrem-se, para a época uma formação ja era digna de nota e indicador de família abastada, o que obviamente, não é crime e MUITO MENOS DEMÉRITO, mas é um inegavel facilitador de conexões)

– Apenas 3 anos depois salta de trainee para diretor, aos 25 anos Amoedo é convidado para o BBA e rapidamente salta a diretor executivo, assumindo em pouco tempo a gestão da Finaustria, financeira do BBA;
Aqui começo a tecer considerações com base: https://joaoamoedo.com.br/quem-e-joao/historia/

– No curriculo informado pelo próprio candidato, considerando que em 1986 alavancou de trainee para diretor no Citibank, em 1988 foi para o BBA (curiosamente o ano de fundação da instituição bancária) e em 1999 passou a integrar a gestão Finaustria – para compreender bem o que aconteceu neste período, vamos nos recordar a composição de governo:

1987 a 1990 – Sarney
1990 a 1992 – Collor
1992 a 1995 – Itamar Franco
1995 a 2003 – FHC

Qual a história gerencial do BBA?
(Guardem todos os nomes citados a partir daqui)

Fernão Carlos Botelho Bracher iniciou a carreira no famoso escritório de advocacia “Pinheiro Neto”, foi Presidente do Banco Central de 1985 a 1987, eis que em 1988: http://www.bba.com.br/portugues/bba/index.asp

“A história do Itaú BBA começa com o BBA Creditanstalt, fundado em 1988 em São Paulo, por Fernão Bracher e Antonio Beltran, em parceria com o maior banco da Áustria. A atuação do banco estava voltada para operações financeiras bancárias, com características de atacado, e destaque para underwriting, hedge, crédito e câmbio.

Em 1991, foi a única instituição brasileira a coordenar o consórcio de bancos estrangeiros para investimentos no programa de privatização de empresas estatais. Ainda no mesmo ano, recebeu autorização do Banco Central para operar subsidiária em Bahamas e atender demanda de clientes na área internacional.”

Em 1991 o BBA foi a única instituição financeira autorizada pelo BACEN a operar subsidiária em Bahamas:
https://www.google.com/urlsa

 

Eu preciso dizer que Bahamas é um Paraíso Fiscal e que aqui meus amigos a COISA COMEÇA A FEDEEEER: https://istoe.com.br/25719_O+PARAISO+FISCAL+E+AQUI/

Sabem o caso Banestado? Então meus bons amigos, transcrevo:

“Uma outra frente de investigação, sob o comando do delegado da PF de São Paulo Protógenes Pinheiro de Queiroz, tenta desvendar outra prática ainda mais nociva para os cofres do País: a fraude de US$ 277 milhões aplicada por 25 bancos estrangeiros na conversão de títulos da dívida externa nos anos 80, que teria contribuído para aumentar a dívida externa do País. O inquérito, que corre sob sigilo de Justiça, atinge principalmente o banco francês PNB Paribas. Mas outros bancos, como Lloyds, American Express Bank e Deutsche (envolvidos no dossiê Banestado), também estão sob investigação.”

Mas o que CARALEOS isso tem a ver com o Amolejo?

Gustavo Franco é o economista da campanha de Amoedo…
https://www.google.com/amp/s/politica.estadao.com.br/noticias/geral,economista-de-amoedo-diz-que-fgts-e-fat-sao-mecanismos-obsoletos,70002455635.amp

…foi presidente do Banco Central na gestão FHC e chupem a manga com caroço e tudo, um dos principais investigados no caso Banestado: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc0412200317.htm

Obviamente, o modus operandi Tucano, que é blindagem judicial não deixou todo o caso ir pra frente, o que sobrou senhores foi dívida em cima de dívida pra gente – CONTRIBUINTES

Esse processo de quebradeira e privatizacão dos bancos nos anos 90 promovido FHC, fez a holding do Itau adquirir: BANERJ, BEMG, BANESTADO e BEG em 2002 o BBA passou a ser controlado pela Holding do itau.

O BBA triplicou de patrimonio nos 4 primeiros anos do governo FHC, ao passo que a divida praticamente dobrou em montante de juros.

Um exemplo do papel político do capital foi a compra pelo Itaú do Unibanco, no qual Amoêdo era vice-Presidente. A Receita Federal acusou o não pagamento de vários ganhos que teriam sido mascarados por diversas operações. Recentemente, a dívida que, somada às multas ultrapassava 20 bilhões de reaisfoi perdoada por uma canetada de um Conselho da Receita.

Senhores, basta a lógica agora, 425 milhões declarados pelo candidato, o que ja seria surreal em um país de livre mercado, este mesmo candidato integra associação think thank do especulador Soros, a casa das garças, gerenciou, administrou e foi sócio das maiores instituições bancárias cujas relações políticas e de especulação contribui para taxas de juros exorbitantes, aumento de divida e perdão, na base da canetada, de crimes contra o sistema financeiro.

Lembrando que o famoso escritório “Pinheiro Neto” formulou todas as atas do Partido Novo.

Próceres do sistema financeiro, como Fernão Carlos Botelho Bracher e Anis Chacur ja doaram R$ 100.000,00 para a campanha de Amoedo.

Então, o recado é: NOVO é o porradão na cara que vcs vão tomar se não pesquisarem a fundo a rede de influências desse fanfarrão.


APOIE NOSSO PROJETO


A RedeBrasil.NET é uma webrádio anticomunista que a quase 3 anos está 24hs no ar trabalhando em favor da sociedade conservadora e de valores. Nossa intenção é conscientizar a população brasileira que estamos sendo governados por 35 facções criminosas disfarçadas de partidos políticos que implantaram seus amigos nas 4 esferas de poder a saber: Executivo, legislativo, judiciário e o TSE. Contribua para que consigamos permanecer no AR e ampliarmos nosso raio de ação. Apoie com sua contribuição mensalmente pelo paypal clicando no botão abaixo ou fazendo uma contribuição nas contas abaixo.






Um comentário

  1. como acreditar em um site que nao tem expediente, quem assina esta matéria?

Deixe seu comentário para este post

Seu email não será mostrado publicamente. Os campos obrigatórios estão marcados *

*

x

Check Also

Juiza Eliana Calmon desabafa sobre a dificuldade de punir juízes

Assista e tire suas conclusões sobre as leis do Brasil