Home / Comunismo / O plano das impressoras não colou | Smartmatic x TSC foi embuste
Nitronews

O plano das impressoras não colou | Smartmatic x TSC foi embuste

Bom, diante de tantas conspirações que acontecem ao mesmo tempo no Brasil eu pensei em mais uma, a das falsas impressoras das urnas eletrônicas.
A ideia de promover no ano eleitoral, a poucos meses das eleições, um pregão para se fabricar impressoras de urnas eletrônicas está mais para os filmes de Holywood que aceleram o final do filme por falta de orçamento. Neste caso por falta de cadidato e por medo das revelações sobre as fraudes no sistema das urnas.

Teoria da Conspiração das Impressoras.

Um governo criminoso e comunista vendo que a Lei do voto impresso tinha sido aprovada e não podendo mais desaprová-la, pois qualquer forma de “conferência” dos votos é extremamente perigoso para o sistema criminoso aqui instalado, traçaram um plano ousado.

1 – Misistros, desempanhando papéis novelísticos dirigidos, vão a mídia e dizem que não há dinheiro pra tanta urna, que as urnas são invioláveis, são confiáveis  e “cedem” a tentativa de obedecer a Lei e começam a dizer que só 30 mil urnas num universo de 600 mil terão impressoras;

2  – Promovem um pregão de última hora para fazer as “impressoras e o software” rejeitando a ajuda do Instituto Militar de Engenharia.

3 – Dentro de um universo de milhares de empresas no Brasil, apenas DUAS aparecem como habilitadas no pregão e quem ganha? A Smartmatic é claro, mas tudo isso, não esqueçam é apenas a novela do TSE, pois 2 dias depois a dita “impressora já estava PRONTA” e para o TSE, “felizmente não passou no teste”. E olha que tentaram até com engenheiro chinês.

4 – Após a Smartmatic não passar no teste chega a vez da atuação da TSC que  em 08/02 “desiste do pregão” também com a seguinte declarção: “Sem maiores delongas para não atrasar ainda mais o fracasso do certame a nossa empresa explicitamente recusou-se a chegar no valor de referência do edital, devido aos altos tributos praticados no Brasil.”

5 – Dia 05 Raquel Dodge da PGR ajuiza ação de ” inconstitucionalidade contra a volta do voto impresso” no Supremo, invocando o direito fundamental ao sigilo no artigo 14 da constituição. Pronto, o penúltimo capítulo dessa história está no ar.

Destrinchando

Para dar veracidade a fraude eles já possuem um pseudo candidato, Hulck, eles já tem uma ação de inconstitucionalidade das impressoras e “VOTOS IMPRESSOS” eletrônico e em cédulas” em andamento… a apuração então será eletrônica e assim os brasileiros irão como otários em uma caixinha que apenas apita e mostra a foto e um pseudo resultado no fechamento das urnas nos locais de votação, pois a fraude mesmo acontece a portas fechadas no TSE.

O álibi para não ter recontagem de votos está ai, na ação de inconstitucionalidade que levará anos para ser julgada e enquanto isso seremos subjugados pelas urnas que são meras caixinhas de diversão e joguinho de come-come.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*